q Candidata equatoriana é baleada durante ataque não esclarecido - Política Inteligente
InícioMundoCandidata equatoriana é baleada durante ataque não esclarecido

Candidata equatoriana é baleada durante ataque não esclarecido

Um dia após o assassinato do jornalista e presidenciável Fernando Villavicencio sacudir o Equador, levando o governo nacional a decretar estado de exceção em todo país, uma candidata a deputada foi alvo da ação de criminosos ainda não identificados.

A engenheira ambiental Estefany Puente Castro, que concorre a uma vaga no Parlamento, participava de um ato político na cidade de Quevedo, em Los Rios, nesta quinta-feira (10), quando duas pessoas em uma moto pararam junto ao veículo em que ela viajava com outras pessoas e efetuaram vários disparos com uma arma de fogo.

Imagens divulgadas nas redes sociais exibem o veículo – usado na campanha de outros dois candidatos correligionários de Estefany – com o para-brisa danificado. Segundo relatos, a candidata foi ferida, de raspão, por um projétil.

“Hoje, fui vítima da delinquência contra minha integridade”, confirmou Estefany, em uma publicação em suas redes sociais.

A dez dias das eleições, aspectos como o medo da violência e a crescente sensação de insegurança pública estão entre as principais preocupações dos eleitores equatorianos, conforme apontam pesquisas de opinião pública recentes. A própria imprensa do país vem noticiando, há tempos, que os índices de criminalidade têm piorado, com um aumento do número de crimes violentos. 

Na quarta-feira (9), Villavicencio, de 59 anos, foi morto a tiro. Candidato presidencial do Movimento Construye, o ex-dirigente sindical e jornalista se despedia de seus apoiadores após participar de um ato de campanha em Quito quando homens fortemente armados se aproximaram atirando. Ao menos outras nove pessoas foram feridas no atentado, entre elas um candidato a deputado e três seguranças de Villavicencio. 

Expansão do crime organizado

Para especialistas, a tensão no Equador é reflexo da expansão do crime organizado no país, nos últimos anos. Incrustado entre dois dos maiores produtores mundiais de folha de coca e de cocaína, a Colômbia e o Peru, o Equador é considerado geograficamente estratégico para o escoamento da droga pelo Oceano Pacífico, além da relativa proximidade com o Canal do Panamá. 

Rio de Janeiro (RJ), 10/08/2023 - A  professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Maria Villarreal, concede entrevista à Agência Brasil, no estúdio da TV Brasil. Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil
Rio de Janeiro (RJ), 10/08/2023 - A  professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Maria Villarreal, concede entrevista à Agência Brasil, no estúdio da TV Brasil. Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil

A professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Maria Villarreal, concede entrevista à Agência Brasil. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

“O que aconteceu é que o Equador teve uma estratégia, uma política, de segurança pública de muito sucesso, o que fez com que o país fosse considerado uma ilha de paz e, até 2017, o segundo país mais seguro da América Latina”, afirmou Maria Villarreal, professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e do programa de pós-graduação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

“Infelizmente, esta política foi completamente desestruturada; o investimento em segurança pública caiu muito nos últimos governos e isso tem provocado um contexto de crise no setor, com a falta de respostas adequadas. Isso em um cenário em que as redes do crime organizado estão muito fortalecidas”, acrescentou a professora, explicando que, atualmente, há diversas organizações criminosas multinacionais atuando em território equatoriano, incluindo facções mexicanas e albanesas.

“Com isso, o Equador, que, historicamente, era um país de trânsito das drogas, tornou-se um país de distribuição, armazenamento e negociação de drogas.”

“Há cartéis mexicanos, sendo o maior deles o Sinaloa, operando no Equador, onde criaram redes e conexões para exportar a cocaína para os Estados Unidos e para a Europa, que são os dois maiores mercados consumidores”, comentou a professora Flávia Loss de Araújo, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Para ela, o assassinato de Villavicencio e o ataque a outros candidatos equatorianos é consequência de uma soma de fatores. “Quem sai perdendo deste episódio é a democracia equatoriana, já muito fragilizada. Bem como toda a situação político e econômica do país.”

Fonte: Agência Brasil

Redação
Redaçãohttps://politicainteligente.com
Um portal especializado em analisar a política no Brasil e no mundo. Veja o que acontece de importante no Planalto, Congresso e Judiciário. Além de notícias importantes no Executivo, Legislativo e Judiciário nos estados, Distrito Federal e Goiás.
Continue Lendo

Últimas Notícias